Colecções Auras G+

Colecções Auras G+
Curadora Sessenta e Quatro

Publicação em destaque

Algumas considerações sobre a visualização espontânea de auras

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Qi Gong – recomendações e curiosidades

Imagem relacionada

Todas as ginásticas energéticas têm recomendações.

Ainda me lembro de que quando apresentei a minha prática de yoga fiz tantas recomendações que soou um pouco estranho. Mas nunca me arrependi… algumas pessoas precisam de cuidados-extra devido à sua aura e corpo energético específicos.

De facto, alguns dos meus alunos não podem praticar o Yoga Vinyasa (para sua e minha surpresa) enquanto que outros que pensavam não o poder fazer, devido a problemas de saúde, descobriram que se sentem muito melhor devido à mesma prática.

O que acontece nas ginásticas energéticas?

Quando se está a praticar uma rotina de Yoga ou de Qi Gong existem movimentações de energia repentinas e poderosas comparáveis a uma onda elétrica. Gera-se também energia e é assim que se desbloqueia e limpa energeticamente toda a nossa aura.
Esta tempestade com trovões que vai percorrendo o ovo áurico não está isolada do meio circundante já que existe uma ressonância e harmonização entre os acontecimentos energéticos da Natureza e a nossa energia.

Não praticar ao  Vento forte, à Chuva e na Trovoada

Por existir, naturalmente, esta harmonização entre os seres humanos e a natureza, os maiores mestres de Qi Gong recomendam que, de forma alguma, não se pratique em tempo de tempestade com trovoada e nem em eclipses lunares e solares.

Do mesmo modo, as melhores alturas para praticar e recolher o Qi na Natureza são a Primavera e o Verão, em dias com brisa suave, já que o vento suave ajuda a transportar o Qi para o interior do nosso corpo, beneficiando com isto todas as células.

Tanto o vento forte como a chuva se podem contornar, praticando numa sala arejada e seca.

Ginásticas energéticas e gravidez

Uma advertência adicional – não praticar na gravidez se nunca se praticou antes e sem um mestre que tenha experiência nessa situação.

A importância de voltar a ser criança

Ainda me lembro de jogar às escondidas. Raramente me encontravam porque, por instinto, ficava imóvel, sem pensar e sem quase respirar… rsrs
Da mesma forma os animais usam esta técnica para caçar e esconderem-se de um predador.
A este estado de espírito do Qi Gong chama-se “vazio”, tendo por símbolo um círculo que representa a volta à energia primordial, a qual só é possível quando reencontramos a nossa inocência e pureza da infância.

A Alquimia interior

Durante a prática do Qi Gong, se estivermos numa disposição de calma, podemos transformar a energia da “água de jade” dos rins na energia da pílula dourada do “fogo” do coração. Cria-se um microciclo interno que permuta yin em yang. Esta permutação é associada à fonte da eterna juventude já que é capaz de renovar um corpo doente e gasto.

Podem ver mais em órbita microcósmica.

Contudo, onde vi a melhor explicação da alquimia interior foi num livro de Liu Dong – Qi Gong, a via da calma.

E foi, também, nesse livro que encontrei uma estória curiosa que relato em seguida…


Resultado de imagem para chi kung

O verdadeiro Qi Gong nasce do coração de cada um

Lao-Tsé, o grande mestre fundador do Tao, que viveu por volta do séc. VI a. C., tinha uma atitude curiosa para com os seus alunos…

Um dia, disse a um aluno, que já estava com ele há muitos anos, para voltar para sua casa porque já não tinha nada a ensinar. O aluno relutante aceitou o conselho mas, antes de partir, perguntou: - Quando devo voltar?

- Quando tiveres esquecido tudo o que te ensinei.

Uns meses mais tarde o aluno regressou atabalhoadamente e disse: - Mestre, esqueci os vossos movimentos. Ensinai-me de novo…

- Volta a tua casa e reflete bem… - disse ele rindo.

Mais uma vez, o aluno voltou para casa tentando compreender… e voltou passado mais uns tempos.

-Mestre, já faço os movimentos como vós fazeis.

Lao-Tsé olhou impassível e nada respondeu despedindo o aluno com gesto que voltou para casa, mais uma vez, desapontado e deprimido.

Mas uns anos mais tarde, voltou mais uma vez transbordante de felicidade.

- Mestre, venho dizer-vos que agora faço diferente daquilo que vós fazeis.

Lao-Tsé sorriu com ar de quem compreende e disse: - Agora sim, conseguiste!

O que Lao- Tsé nos ensina é que a forma dos movimentos e do corpo não importa mas sim o espírito interior que comanda.

***

Deixo-vos com o Qi Gong da Filha de Jade – desenvolvido por Liu He para tonificar o fígado, alimentar o sangue, dissipar equimoses, tratar de problemas ginecológicos e facilitar a perda de peso. É uma sequência própria para senhoras já que o pontoShan Zhong é estimulado e este é a fonte do sangue. :)


https://youtu.be/rSAgNT8PLcM

Paz e Amor
Curadora64

Copyright © Curadora64  All Rights Reserved. You may copy and redistribute this material so long as you do not alter it in any way, the content remains complete, and you include this copyright notice link:

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

MEDITACIÓN CAMINANDO – parte 1 - Thich Nhat Hanh

Imagem relacionada

"Su hogar no es en Nueva York, Londres o Hong Kong. Su hogar es en cada paso." - Thich Nhat Hanh 

La práctica de caminar atento, dice Thich Nhat Hanh, es una manera profunda y agradable para profundizar nuestra conexión con nuestro cuerpo y con la Tierra. Nosotros respiramos, damos un paso consciente, y volvemos a nuestro verdadero hogar. Lea y aprenda cómo.

Muchos de nosotros andamos con el único propósito de ir de un lugar a otro. Ahora, supongamos que estamos caminando hacia un lugar sagrado. Nos gustaría ir a pie en silencio y damos cada paso de forma gentil con reverencia. Propongo que caminemos de esta manera cada vez que caminamos sobre la Tierra. La Tierra es sagrada y podemos tocarla a cada paso. Debemos ser muy respetuosos, porque estamos caminando en nuestra madre. Si caminamos así, entonces cada paso será nutridor.

Podemos entrenarnos a caminar con reverencia. Dondequiera que nosotros andemos, ya sea en la estación o en el supermercado, estamos caminando sobre la Tierra y por eso estamos en un santuario sagrado. Si nos acordamos de caminar así, podemos ser nutridos y encontrar solidez a cada paso. 

Para caminar en ese camino, tenemos que notar cada paso. Cada paso dado en plena conciencia puede traernos de vuelta al aquí y ahora. Ir lentamente. La práctica de la Atención Plena ilumina nuestro camino. No se apresure. Con cada respiración que puede llevar sólo un paso. Podemos haber corrido toda nuestra vida, pero ahora no tenemos más que huir. Este es el momento de dejar de correr. Estar con los pies en la Tierra es sentir su solidez a cada paso y sabemos que estamos bien donde estamos.

Cada respiración consciente, cada paso consciente, nos recuerda que estamos vivos en este hermoso planeta. No necesitamos nada más. Es maravilloso lo suficiente para estar vivo, respirando, y dando un paso. Llegamos a la vida real, donde estamos disponibles, en el momento presente. Si respiramos y caminamos de esa forma, nos volvemos tan sólidos como una montaña.

Hay aquellos de nosotros que tienen una casa confortable, pero nosotros no sentimos que estamos en casa. No queremos nada, y aún así no nos sentimos en casa. Todos nosotros estamos buscando nuestra tierra firme, nuestra verdadera casa. La tierra es nuestra verdadera casa y ella está siempre allí, debajo de nosotros y a nuestro alrededor. Respire, de un paso consciente, y llegamos. Ya estamos en casa. 

Uniendo Cuerpo y Mente

No podemos ser aterrizados en nuestro cuerpo si nuestra mente está en otro lugar. Cada uno de nosotros tiene un cuerpo que nos ha sido dado por la tierra. Este cuerpo es una maravilla. En nuestra vida diaria, podemos pasar muchas horas olvidando el cuerpo. Nos perdimos en nuestro ordenador o en nuestras preocupaciones, miedo o ocupación. La meditación caminando nos hace completos nuevamente. Sólo cuando estamos conectados con nuestro cuerpo, estamos verdaderamente vivos. La cura no es posible sin esta conexión. Entonces, caminar y respirar de tal manera que usted pueda conectar con su cuerpo profundamente.

La meditación caminando une nuestro cuerpo y nuestra mente. Combinamos nuestra respiración con nuestros pasos. Cuando inspiramos, podemos dar dos o tres pasos. Cuando expiremos, podemos dar tres, cuatro o cinco pasos. Prestamos atención en lo que es cómodo para nuestro cuerpo.

Nuestra respiración tiene la función de ayudar a nuestro cuerpo y la mente a calmar. Mientras caminamos, podemos decir, Inspirando, calmo mi cuerpo. Expirando, traigo la paz a mi cuerpo. Al calmar la respiración calmamos el cuerpo y reducimos el dolor y la tensión. 

Cuando caminamos así, con nuestra respiración, traemos nuestro cuerpo y nuestra mente de vuelta juntos. Nuestro cuerpo y nuestra mente son dos aspectos de una misma realidad. Si retiramos nuestra mente de nuestro cuerpo, nuestro cuerpo estará muerto. Si tomamos nuestro cuerpo sin nuestra mente, nuestra mente estará muerta. No pienses que se puede ser si el otro no lo es.

La meditación caminando es ante todo una práctica para traer cuerpo y mente juntos pacíficamente. No importa lo que hacemos, el lugar para empezar es calmarse, porque cuando nuestra mente y nuestro cuerpo se calman un poco, vemos más claramente. Cuando vemos nuestra rabia o tristeza claramente, se disipan. Comenzamos a sentir más compasión por nosotros mismos y por los demás. Sólo podemos sentir esto cuando el cuerpo y la mente están unidos.

La meditación caminando no debe ser trabajo. Es muy agradable, especialmente a primera hora de la mañana, cuando el aire todavía está muy fresco. Cuando caminamos con atención plena, vemos la belleza y la maravilla de la tierra alrededor de nosotros, y nos despertamos. Vemos que estamos viviendo un momento muy maravilloso. Si nuestra mente está atrapada y preocupada por nuestras preocupaciones y sufrimiento, perdemos esas cosas. Podemos valorar cada paso que damos, y cada paso nos trae felicidad. Cuando miramos de nuevo a la Tierra y al cielo, vemos que la Tierra es una realidad maravillosa. 

No estamos separados de la Tierra 

Pensamos que la Tierra es la Tierra y nosotros somos algo fuera de la Tierra. Pero, en realidad estamos dentro de la Tierra. Imagínese que la Tierra es el árbol y nosotros somos una hoja. La tierra no es el ambiente, algo fuera de nosotros que necesitamos cuidar. La Tierra somos nosotros. Así como sus padres, antepasados, y los profesores están dentro de usted, la Tierra está en usted. Cuidando de la Tierra, nos cuidamos de nosotros mismos.

Cuando vemos que la Tierra no es sólo el medio ambiente, que la Tierra está en nosotros, en ese momento usted puede tener verdadera comunión con la Tierra. Pero si vemos la Tierra como sólo el ambiente, con nosotros mismos en el centro, entonces sólo queremos hacer algo en la Tierra para sobrevivir. Pero no es suficiente cuidar de la Tierra. Esto es una forma dual de percibir.

Tenemos que practicar mirando hacia nuestro planeta no sólo como materia, sino como un ser vivo y sintiente. El universo, el sol y las estrellas han contribuido con muchos elementos a la Tierra, y cuando miramos profundamente a la Tierra, vemos que es una flor muy bonita que contiene la presencia de todo el universo. Cuando miramos nuestra propia formación del cuerpo, somos hechos de los mismos elementos que el planeta. Él nos hizo. La Tierra y el universo están dentro de nosotros. 

Cuando damos pasos en plena conciencia sobre la Tierra, nuestro cuerpo y mente se unen, y nos unimos con la Tierra. La Tierra dio a luz a nosotros y la Tierra nos recibirá de nuevo. Nada se pierde. Nada nace. Nada muere. No necesitamos esperar hasta que nuestro cuerpo se desintegre al volver a la Madre Tierra. Estamos volviendo a la Madre Tierra en cada momento. Siempre que respiramos, siempre damos un paso, estamos volviendo a la Tierra. Incluso cuando nos arañamos, las células de la piel van a caer y volver a la Tierra.

Tierra incluye la esfera de la vida y de la atmósfera. Entonces usted no tiene que esperar hasta que usted muera para volver a la Madre Tierra, porque usted ya está en la Madre Tierra. Tenemos que volver a refugiarnos en nuestro hermoso planeta. Yo sé que la Tierra es mi casa. Yo no necesito morir, para volver a la Madre Tierra. Estoy en la Madre Tierra ahora, y la Madre Tierra está en mí.

Usted puede tener gusto de experimentar este ejercicio, mientras usted camina: "Inspirando, sé que la Madre Tierra está en mí. Expirando, sé que la Madre Tierra está en mí.

Paul Tillich, el teólogo alemán, dijo: "Dios no es una persona, pero no menos que una persona." Esto es verdad para la Tierra también. Es más que una persona. Ella dio a luz a millones de especies, incluyendo seres humanos. Muchas culturas antiguas creían que había una divinidad que habitaba el sol, y ellos adoraban el sol. Pero cuando hago la meditación caminando y tocando la Tierra, no tengo ese tipo de visión dualista. No estoy adorando la Tierra como una divinidad separada fuera de mí mismo.

Creo que de la Tierra como un Bodhisattva, un gran y compasivo ser. Un Bodhisattva es un ser que está despierto, tiene comprensión y amor. Cualquier ser vivo que está despierto, está en paz, tiene comprensión y amor puede ser llamado Bodhisattva, pero un Bodhisattva no tiene que ser un ser humano. Cuando miramos a un árbol, vemos que el árbol es suave, que alimenta la vida, y que ofrece sombra y belleza. Es un lugar de refugio para muchos pájaros y otras criaturas. Un Bodhisattva no es algo que está en las nubes lejos de nosotros. Bodhisattvas están a nuestro alrededor. Un joven que tiene amor, que tiene frescura, que tiene entendimiento, que nos ofrece una gran cantidad de felicidad, es un Bodhisattva. El pie de pino en el jardín nos da alegría, nos ofrece oxígeno, y hace la vida más bonita.

Cuando decimos que la Tierra es un hermoso Bodhisattva, ésta no es nuestra imaginación. Es un hecho que la Tierra está dando vida y ella es muy bonita. El Bodhisattva no es un espíritu separado habitando la tierra; debemos trascender esa idea. No hay dos cosas distintas – la tierra, que es una cosa material, y el espíritu de la tierra, una cosa inmaterial que habita la tierra.

Nuestro planeta Tierra es en sí una verdadera y grande bodhisattva. Él encarna tantas grandes virtudes. La Tierra es sólida que puede transportar muchas cosas. Es paciente, toma su tiempo moviendo glaciares y esculpe rocas. La Tierra no discrimina. Podemos arrojar flores perfumadas en la tierra, o podemos arrojar orina y excrementos sobre la Tierra, y la Tierra purifica. La Tierra tiene una gran capacidad de soportar, y ofrece para nutrirnos agua, abrigo, comida y aire para respirar.

Cuando reconocemos las virtudes, el talento, la belleza del bodhisattva Tierra, el amor nace. Usted ama la Tierra y la tierra ama. Usted haría cualquier cosa para el bienestar de la tierra. Y la Tierra hará todo para su bienestar. Este es el resultado natural de la relación amorosa real. La Tierra no es sólo su ambiente, para ser cuidada o adorada. Cada paso consciente puede manifestar ese amor. 

Parte del amor es la responsabilidad. En el budismo, hablamos de meditación como un acto de despertar. Despertar es estar despierto para algo. Necesitamos estar despiertos para el hecho de que la Tierra está en peligro y las especies vivas en la Tierra también están en peligro. Cuando caminamos con atención plena, cada paso nos recuerda nuestra responsabilidad. Tenemos que proteger la Tierra con el mismo compromiso que tenemos de proteger a nuestra familia y nosotros mismos. La Tierra puede nutrirnos y curarnos, pero ella sufre también. A cada paso la Tierra nos cura, y con cada paso sanamos la Tierra.

Cuando caminamos con atención plena en el suelo Tierra, en que se basan en su generosidad y no podemos dejar de ser agradecidos. Todas las cualidades de la Tierra, paciencia, estabilidad, creatividad, amor y no discriminación están disponibles para nosotros cuando andamos con reverencia, conscientes de nuestra conexión.

Cuando caminas con reverencia y sólidamente en esta Tierra y yo haré lo mismo, enviamos olas de compasión y paz. Es esa compasión que va a curarnos a nosotros mismos, unos a otros, y esta bella Tierra verde.

Acerca de Thich Nhat Hanh:

Thich Nhat Hanh es un renombrado maestro Zen y poeta, y fundador del movimiento budismo comprometido. El autor de más de cuarenta libros, reside en un centro de práctica en Francia, llamado Plum Village.

Paz y amor
Curadora64

traducción: Sonia Cecilia (gracias 💙)

Copyright © Curadora64  All Rights Reserved. You may copy and redistribute this material so long as you do not alter it in any way, the content remains complete, and you include this copyright notice link:

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

MEDITAÇÃO ANDANDO – parte 1 - Thich Nhat Hanh

Imagem relacionada
“Seu lar não é em Nova York, Londres ou Hong Kong. Seu lar é em cada passo.”

Thich Nhat Hanh


A prática de andar atento, diz Thich Nhat Hanh, é uma maneira profunda e agradável para aprofundar a nossa conexão com o nosso corpo e com a Terra. Nós respiramos, damos um passo consciente, e voltamos ao nosso verdadeiro lar. Leia e aprenda como.
Muitos de nós andamos com o único propósito de ir de um lugar para outro. Agora, suponha que estamos caminhando para um lugar sagrado. Gostaríamos de ir a pé em silêncio e damos cada passo de forma gentil com reverência. Proponho que andemos desta maneira cada vez que caminharmos sobre a Terra. A Terra é sagrada e nós podemos tocá-la a cada passo. Devemos ser muito respeitosos, porque estamos andando em nossa mãe. Se andarmos assim, então cada passo será nutridor.
Nós podemos treinar-nos a caminhar com reverência. Onde quer que nós andemos, seja na estação ou no supermercado, estamos caminhando sobre a Terra e por isso estamos em um santuário sagrado. Se nos lembrarmos de andar assim, podemos ser nutridos e encontrar solidez a cada passo.
Para andar nesse caminho, temos que notar cada passo. Cada passo dado em plena consciência pode trazer-nos de volta para o aqui e agora. Ir lentamente. A prática da Atenção Plena ilumina o nosso caminho. Não se apresse. Com cada respiração que pode levar apenas um passo. Podemos ter corrido toda a nossa vida, mas agora não temos mais como fugir. Este é o momento de parar de correr. Estarmos com os pés na Terra é sentimos sua solidez a cada passo e sabemos que estamos bem onde estamos.
Cada respiração consciente, cada passo consciente, nos lembra que estamos vivos neste belo planeta. Nós não precisamos de mais nada. É maravilhoso o suficiente apenas para estar vivo, respirando, e dando um passo. Chegamos na vida real, onde estamos disponíveis, no momento presente. Se respirarmos e caminharmos dessa forma, nos tornamos tão sólidos como uma montanha.
Há aqueles de nós que têm uma casa confortável, mas nós não sentimos que estamos em casa. Nós não queremos nada, e ainda assim não nos sentimos em casa. Todos nós estamos procurando nossa terra firme, a nossa verdadeira casa. A terra é nossa verdadeira casa e ela está sempre lá, debaixo de nós e ao nosso redor. Respire, dê um passo consciente, e chegamos. Nós já estamos em casa.
Unindo Corpo e Mente
Nós não podemos ser aterrado em nosso corpo se nossa mente está em outro lugar. Cada um de nós tem um corpo que nos foi dado pela terra. Este corpo é uma maravilha. Em nossa vida diária, podemos passar muitas horas esquecendo o corpo. Nós nos perdemos no nosso computador ou em nossa preocupações, medo ou ocupação. A meditação andando nos faz completos novamente. Somente quando estamos conectados com o nosso corpo nós estamos verdadeiramente vivos. A cura não é possível sem essa conexão. Então, andar e respirar de tal forma que você possa se conectar com seu corpo profundamente.
A meditação andando une nosso corpo e nossa mente. Nós combinamos nossa respiração com os nossos passos. Quando inspiramos, podemos dar dois ou três passos. Quando expiramos, podemos dar três, quatro ou cinco passos. Nós prestamos atenção no que é confortável para o nosso corpo.
Nossa respiração tem a função de ajudar o nosso corpo e mente se acalmar. Enquanto andamos, podemos dizer, Inspirando, acalmo meu corpo. Expirando, eu trago a paz para o meu corpo. Acalmando a respiração acalmamos o corpo e reduzimos a dor e a tensão.
Quando andamos assim, com a nossa respiração, nós trazemos nosso corpo e nossa mente de volta juntos. Nosso corpo e nossa mente são dois aspectos de uma mesma realidade. Se removermos nossa mente de nosso corpo, nosso corpo estará morto. Se tomarmos o nosso corpo sem nossa mente, nossa mente estará morta. Não pense que se pode ser se o outro não é.
A meditação andando é antes de tudo uma prática para trazer corpo e mente juntos pacificamente. Não importa o que fazemos, o lugar para começar é se acalmar, porque quando nossa mente e nosso corpo se acalmam um pouco, vemos mais claramente. Quando vemos nossa raiva ou tristeza claramente, elas se dissipam. Nós começamos a sentir mais compaixão por nós mesmos e pelos outros. Nós só podemos sentir isso quando o corpo e a mente estão unidos.
Meditação andando não deve ser trabalho. É muito agradável, especialmente no início da manhã, quando o ar está ainda muito fresco. Quando andamos com atenção plena, vemos a beleza e a maravilha da terra em torno de nós, e nós acordamos. Nós vemos que estamos vivendo um momento muito maravilhoso. Se a nossa mente está presa e preocupada com nossas preocupações e sofrimento, perdemos essas coisas. Podemos valorizar cada passo que damos, e cada passo nos traz felicidade. Quando olhamos de novo para a Terra e o céu, vemos que a Terra é uma realidade maravilhosa.
Nós não estamos separados da Terra
Nós pensamos que a Terra é a Terra e nós somos algo fora da Terra. Mas, na verdade estamos dentro da Terra. Imagine que a Terra é a árvore e nós somos uma folha. A terra não é o ambiente, algo fora de nós que precisamos cuidar. A Terra somos nós. Assim como seus pais, antepassados, e os professores estão dentro de você, a Terra está em você. Cuidando da Terra, nós cuidamos de nós mesmos.
Quando vemos que a Terra não é apenas o meio ambiente, que a Terra está em nós, naquele momento você pode ter verdadeira comunhão com a Terra. Mas se vemos a Terra como só o ambiente, com nós mesmos no centro, então nós só queremos fazer algo na Terra para nós sobrevivermos. Mas não é o suficiente cuidar da Terra. Isso é uma forma dualista de perceber.
Temos que praticar olhando para o nosso planeta não apenas como matéria, mas como um ser vivo e senciente. O universo, o sol e as estrelas têm contribuído com muitos elementos para a Terra, e quando olhamos profundamente para a Terra, vemos que ela é uma flor muito bonita contendo a presença de todo o universo. Quando olhamos para nossa própria formação do corpo, somos feitos dos mesmos elementos que o planeta. Ele nos fez. A Terra e o universo estão dentro de nós.
Quando damos passos em plena consciência sobre a Terra, nosso corpo e mente se unem, e nos unimos com a Terra. A Terra deu à luz a nós e a Terra nos receberá novamente. Nada é perdido. Nada nasce. Nada morre. Nós não precisamos esperar até quando nosso corpo se desintegrar ao voltar para a Mãe Terra. Estamos voltando para a Mãe Terra a cada momento. Sempre que respiramos, sempre damos um passo, estamos voltando para a Terra. Mesmo quando nós nos arranharmos, as células da pele vão cair e voltar para a Terra.
Terra inclui a esfera da vida e da atmosfera. Então você não tem que esperar até que você morra para voltar para a Mãe Terra, porque você já está na Mãe Terra. Temos que voltar a se refugiar em nosso belo planeta. Eu sei que a Terra é a minha casa. Eu não preciso de morrer, a fim de voltar para a Mãe Terra. Estou na Mãe Terra agora, e a Mãe Terra está em mim.
Você pode gostar de experimentar este exercício, enquanto você anda: “Inspirando, eu sei que a Mãe Terra está em mim. Expirando, eu sei que a Mãe Terra está em mim.”
Paul Tillich, o teólogo alemão, disse: “Deus não é uma pessoa, mas não menos do que uma pessoa.” Isto é verdade para a Terra também. É mais do que uma pessoa. Ela deu à luz a milhões de espécies, incluindo seres humanos. Muitas culturas antigas acreditavam que havia uma divindade que habitava o sol, e eles adoravam o sol. Mas quando eu faço a meditação andando e tocando a Terra, eu não tenho esse tipo de visão dualista. Eu não estou adorando a Terra como uma divindade separada fora de mim mesmo.
Acho que da Terra como um Bodhisattva, um grande e compassivo ser. Um Bodhisattva é um ser que está desperto, tem compreensão e amor. Qualquer ser vivo que está desperto, está em paz, tem compreensão e amor pode ser chamado de Bodhisattva, mas um Bodhisattva não tem de ser um ser humano. Quando olhamos para uma árvore, vemos que a árvore é suave, que alimenta a vida, e que oferece sombra e beleza. É um lugar de refúgio para muitos pássaros e outras criaturas. Um Bodhisattva não é algo que está nas nuvens longe de nós. Bodhisattvas estão à nossa volta. Um jovem que tem amor, que tem frescura, que tem entendimento, que nos oferece uma grande quantidade de felicidade, é um Bodhisattva. O pé de pinheiro no jardim nos dá alegria, oferece-nos oxigénio, e torna a vida mais bonita.
Quando dizemos que a Terra é um belo Bodhisattva, esta não é a nossa imaginação. É um fato que a Terra está dando vida e ela é muito bonita. O Bodhisattva não é um espírito separado habitando a terra; devemos transcender essa ideia. Não há duas coisas distintas-a terra, que é uma coisa material, e o espírito da terra, uma coisa imaterial que habita a terra.
Nosso planeta Terra é em si uma verdadeira e grande bodhisattva. Ele encarna tantas grandes virtudes. A Terra é sólida que pode transportar muitas coisas. É paciente toma seu tempo movendo geleiras e esculpe rochas. A Terra não discrimina. Nós podemos jogar flores perfumadas na terra, ou podemos jogar urina e excrementos sobre a Terra, e a Terra purifica. A Terra tem uma grande capacidade de suportar, e oferece para nutrir-nos água, abrigo, comida e ar para respirarmos.
Quando reconhecemos as virtudes, o talento, a beleza do bodhisattva Terra, o amor nasce. Você ama a Terra e a terra ama. Você faria qualquer coisa para o bem-estar da terra. E a Terra fará de tudo para o seu bem-estar. Esse é o resultado natural do relacionamento amoroso real. A Terra não é apenas o seu ambiente, para ser cuidada ou adorada. Cada passo consciente pode manifestar esse amor.
Parte do amor é a responsabilidade. No budismo, falamos de meditação como um ato de despertar. Despertar é estar desperto para algo. Precisamos estar acordados para o fato de que a Terra está em perigo e espécies vivas na Terra também estão em perigo. Quando andamos com atenção plena, cada passo lembra-nos de nossa responsabilidade. Temos que proteger a Terra com o mesmo compromisso que temos de proteger nossa família e nós mesmos. A Terra pode nos nutrir e curar-nos, mas ela sofre também. A cada passo a Terra nos cura, e com cada passo curamos a Terra.
Quando andamos com atenção plena no solo Terra, em que se baseiam em sua generosidade e não podemos deixar de sermos gratos. Todas as qualidades da Terra, paciência, estabilidade, criatividade, amor e não-discriminação estão disponíveis para nós quando andamos com reverência, conscientes da nossa conexão.
Quando você andar com reverência e solidamente nesta Terra e eu farei o mesmo, enviamos ondas de compaixão e paz. É essa compaixão que vai curar a nós mesmos, uns aos outros, e esta bela Terra verde.
Sobre Thich Nhat Hanh

Thich Nhat Hanh é um renomado mestre Zen e poeta, e fundador do movimento budismo engajado. O autor de mais de quarenta livros, ele reside em um centro de prática na França, chamado Plum Village.

sábado, 7 de outubro de 2017

[Simbologia] Relógio

Imagem relacionada
Ampulheta

O relógio é um instrumento utilizado para medir a passagem do tempo, existindo, no decorrer da história da humanidade, diferentes mecanismos construídos para este fim.

Dentre esses mecanismos, o primeiro tipo de relógio provavelmente foi o de Sol, que se utilizava da medição da sombra de um gnomon para obter uma “hora do dia”. Os egípcios e babilónios, no século 16 a.C., já se utilizavam de relógios de água, a clepsidra, e de areia, a ampulheta para mensurarem um período de tempo. Outros mecanismos relativamente famosos são os que se utilizam do tempo da queima de velas ou azeite, a pressão do ar, a electricidade, pêndulos, as vibrações do cristal de quartzo e, mais contemporaneamente, os átomos nos relógios atómicos.

Como um instrumento de medição do tempo, o relógio é intimamente relacionado com este, inclusive no caráter simbólico, uma vez que pode ser considerado um símbolo direto do próprio tempo.

Por isso, entrando na simbologia do tempo, temos que Santo Agostinho considerava que este seria a “imagem móvel da imóvel eternidade”, que todo movimento toma forma circular, pois no momento em que se inscreve um começo e um fim, forma-se entre eles uma curva evolutiva, um ciclo, sendo a medida deste movimento o tempo.

Paul Ricoeur considera que uma narrativa só atinge seu pleno significado quanto existe temporalmente, sendo que, simultaneamente, o próprio tempo só se torna humano quando é articulado de um modo narrativo. Este pensamento cíclico significa que o tempo só é percebido humanamente quando inserido em um contexto narrativo ou como parte de uma narração, e, simultaneamente, a percepção da passagem do tempo é o que permite que uma narração e, consequentemente, a própria consciência humana, seja temporalmente localizada e exista. Em outras palavras, “todo tempo é uma história”.

O tempo é frequentemente representado por uma roda com um movimento giratório que descreve um ciclo, uma “roda da vida”, na qual o centro representa o aspecto imóvel, eterno e o que torna possível o movimento do universo, enquanto o passar do tempo ou os aspectos finitos são representados pelo restante da roda. Esta roda também contem nela mesma a oposição finitude x eternidade. Não é necessário ir muito longe para verificar a relação com o formato dos relógios e o significado de imutabilidade de possíveis símbolos no interior destes, em contrapartida à passagem constante do tempo.

Deste modo, voltando ao relógio, pode-se notar que este é, no sentido amplo, um símbolo do tempo e de todas suas características: símbolo do eterno e infinito, da finitude e efemeridade do universo e inclusive é, em si mesmo, uma narrativa.

Resultado de imagem para gnômon
Gnomom

Isso faz com que seja, assim como o deus do tempo Cronos, o devorador, aquele que, enquanto passa, inexoravelmente tudo devora, representa o fim, a morte, a irreversibilidade de tudo o que é feito e a impossibilidade de voltar atrás ou de parar o mundo. Os relógios baseados no consumo de um material ou que se utilizam da gravidade, dado a suas naturezas, enfatizam ainda mais este aspecto, por exemplo, no escorrer das areias até seu esgotamento, em uma ampulheta.

Ao mesmo tempo, o relógio representa a continuidade infinita e a eternidade dos ciclos, em especial quando são relógios sobre ciclos naturais como os solares, zodiacais e os astronomicos.

A manipulação de um relógio pode também pode simbolizar a própria manipulação do tempo e sua subversão ao ter seu horário alterado. A relação que é estabelecida com este se refere à situação subjetiva de uma pessoa com o tempo: um relógio parado pode representar uma vida estagnada, um relógio acelerado, agitação excessiva, dentre várias outras possibilidades.

Este também é um símbolo da civilização, da consciência e seu desenvolvimento. O ato de perceber e medir o tempo é tido como um divisor entre o homem e os animais, entre aquele que controla sua vida e aquele que se deixa levar pela natureza e desejos. De modo similar, simboliza também o controle consciente sobre as variáveis da vida, a racionalização, a busca de perfeição, aperfeiçoamento e refinamento cada vez maiores assim como algo com grande complexidade e precisão. O relógio de sol tinha uma grande importância na simbologia de muitas cidades antigas, sendo sempre colocado em seus centros.

Imagem relacionada
Clepsidra

A marcação precisa do tempo tem grande importância para a determinação da localização e da existência de algo em um momento, tendo importância crucial nas grandes navegações e no georreferenciamento de um modo geral.

Seu formato também tem relação com a sua simbologia, sendo um relógio quadrado algo que remete à terra e seus quatro cantos, um local no tempo, já relógios redondos podem ser simbolicamente mandalas e, mais especificamente, uma Ourobóros.

O sentido dos braços de um relógio, horário ou anti-horário, podem também simbolizar a progressão ou regressão, assim como a conformidade com uma tendência consciente, a passagem do tempo ou mesmo a oposição à isso. Na Bolívia, o relógio da Assembleia Legislativa Plurinacional, na praça de Murillo, em La Paz, gira no sentido anti-horário, simbolizando a “descolonização” e a recuperação da identidade do povo local.

Não é incomum o relato de que um relógio que tenha pertencido a uma pessoa pare no exato momento em que esta faleça.

Expressões típicas com relógio:

Correr contra o relógio: há pouco tempo ou pressa para algo.

Deu a corda [no relógio] nela: Está cheia de energia, recarregada.

É como um relógio: preciso, complexo.

Exemplo de uso simbólico do relógio:

“O mais feroz dos animais domésticos é o relógio de parede: conheço um que já devorou três gerações da minha família.”

Mario Quintana

Trova:

“Coração que bate-bate…

Antes deixes de bater!

Só num relógio é que as horas

Vão passando sem sofrer.”

Mario Quintana

“O tempo pode ser medido com a batidas de um relógio ou pode ser medido com as batidas do coração.”

Rubem Alves

terça-feira, 3 de outubro de 2017

Reflexiones sobre conceptos espirituales


Como siempre escribo por "pedido" [i] pero también me ayuda a asentar mis propias ideas.

Una vez más estas son mis reflexiones sobre lo que he aprendido hasta el momento leyendo, meditando, viviendo y hasta canalizando. En un tiempo puedo pensar de manera diferente y es bueno que así sea, lo que nos lleva a la primera reflexión.

Orgullo y preconcepto como las únicas barreras a la evolución espiritual

Ya decía Jane Austen sobre asuntos amorosos y después nuestro Camino Espiritual no es más que un caso de Amor.

El orgullo presume que somos el máximo y que ya no tenemos nada que aprender. La verdadera humildad remite todo y todos al lugar propio que es el de Todos somos UNO. Entonces sólo se trata de perspectivas diferentes ... en simbología existe una representación de muchos ojos para esta noción.

Pero esta última frase también nos dirige hacia los prejuicios o dogmas que creamos durante nuestra vida ... durante todas nuestras vidas. Esto nos reduce a las personas atrapadas en una caja.

Si quieren evolucionar tienen que ser libres. Libres del ego formado por ese preconcepto, modifiquense de propósito, imiten al camaleón, adóptenlo como animal de poder.

Son plurales y no singulares. Cambien regularmente, no queden atrapados al ayer, ni siquiera al minuto anterior. Sólo el cambio puede hacer una cura.

Lo que nos lleva al mayor sanador de todos y a la segunda reflexión.

El Yo Superior como jefe de las marionetas que somos nosotros

Chocante no lo creen? :)

La realidad es un Yo Superior que administra muchas personalidades, cada una en su país y haciendo trabajos diferentes.

Desde mis veintiocho años tengo un vínculo "absurdo" con Chechenia hasta llegar al punto de saber de un atentado antes de las propias agencias noticiosas. Sé que tengo allí a alguien cercano que comparte mi Yo superior, alguien de una religión diferente, con una personalidad muy diferente, si es que es hombre, puede ya ser viejo, está allí ...

Apuesto a que ya encontraron a personas extranjeras con quienes sintieron mucha aflicción, compartieron una interesante conversación y luego partieron cada uno a su lado, sin nunca más volverse a ver.

Hay incluso casos de familias enteras que comparten el mismo Yo Superior. Todo lo que he estudiado me lleva a creer que al principio de los tiempos las chispas divinas se separaron del Alma Universal.

Y ahora en este cambio de energía del Final de los Tiempos, tal como lo conocemos (nada de cataclismos), tenemos que experimentar lo máximo posible, aprender todo lo que podamos y hacemos como el estudiante relapso, muchas vidas y sólo un maestro marionetero ... muchos hilos axiotonales que se cruzan y a veces las informaciones también se cruzan.

¿Dónde está Dios en esta reflexión? 

Donde siempre estuvo, en el centro de Todo.

¿Cae una hoja en este otoño solemne y donde está Dios? En la hoja ...

Canta el pajarito al sol matinal, saludando un nuevo día. ¿Dónde está Dios? En esta canción ...

Fuera de Dios no hay nada y así que la nada no existe pero ¿Qué es Dios?

Yo, al igual que ustedes, no puedo abarcar abstractamente Algo en Dios que se define como el No-SER. Y esta es la "parte" de Dios más intangible a la que sólo pertenecemos después de una iluminación muy profunda que nos llevará al aniquilamiento total de la personalidad.

Algunas personas tienen recelo de esta aniquilación de la personalidad, pero yo les recuerdo que venimos de esa zona de no -SER, ese es nuestro origen como Hijos de Dios. Cuando venimos a experimentar la Matriz Material y crear el ego fue difícil para nosotros esa separación ... mucho más difícil de lo que va a ser volver, estoy en creer.

Las eternas Luces de las Consciencias de los eternos e infinitos Yos Superiores nos llevan siempre a una Fuente Divina. Que es Dios, el Dios Eterno, no nacido, no creado, inmutable, invencible y cuya única sustancia es el Amor y la Unión Divina.

Como dicen los budistas tibetanos: la Mente es Luz y yo digo (y todos lo sabemos):

-Dios es Amor.

Sin embargo, algunos de nosotros están tan maltratados y estropeados que tienen miedo del Amor.

¿Se acuerdan del Maestro y del Saltamontes? Este es un diálogo muy Zen:

- Maestro, ¿qué es el Amor?
- El amor es la ausencia total de miedo.
- ¿Y a qué tenemos tanto miedo?
- Al Amor ...

Foto de Auras, Cores e Números.

_________________________________________
[i] Escribir por encargo = algún alumno o lector que me hizo una pregunta pertinente, cuando se repite la pregunta, por más que una persona y durante unos días, ya "sé" que es pedido.

Paz y amor
Curadora64

traducción: Sonia Cecilia (gracias 💙)

Copyright © Curadora64  All Rights Reserved. You may copy and redistribute this material so long as you do not alter it in any way, the content remains complete, and you include this copyright notice link: 
http://auras-colours-numbers.blogspot.pt/2017/09/reflexoes-sobre-conceitos-espirituais.html
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

copyscape

Protected by Copyscape

Qigong

Sobre o Amor

Adam Kadmon

Meridianos MTC

Kundalini

viagem astral

Toroide - Energia Livre

Formas de Pensamento

A Grande Invocação

Meditação pela Paz

Meditação fora do espaço e tempo (a qualquer hora e em qualquer lugar, sem inscrições nem regras)Apelo ao envio de Luz...

Posted by Auras, Cores e Números on Sábado, 11 de Julho de 2015

Aura - o que é?

Controlo da Mente

Vida ET


"Se não existe vida fora da Terra, então o universo é um grande desperdício de espaço."- Carl Sagan
Posted by Auras, Cores e Números on Sábado, 29 de agosto de 2015

Chakras

Deva Premal - playlist